Heptassílabo Absurdo - Julio Cesar Gentil

N’um dia posso ser vários...
Em outro quase nenhum.
O mundo está lotado
de pessoas tão comuns.
Eu posso ser o poeta
do que a vida me cantou...
Já paguei muita promessa,
nada me adiantou.
Prossigo quase sem pressa...
Não sei se vou, ou não vou,
mas piso firme na terra,
deixo marcas onde estou.
Sou da Paz, detesto guerras,
pois a arma de um poeta
sempre será uma flor.

7 comentários:

  1. nossa meo, super bom
    meu professor de redação já disse que eu deveria começar a fazer poemas, mas nem sei :/

    ResponderExcluir
  2. que achas desse aí que tentei criar?

    Azular do Céu
    Aromar o azul do céu
    O réu é o inimigo
    daquilo que se tornou invisível
    Não vejo o vento
    está revestido por um grande véu
    Um dia o ar há de abandonar
    o que aquilo sob se esconde
    e só irá haver
    nada que se abscondeu sob
    o amículo à azular

    ResponderExcluir
  3. qualquer coisa peço ajuda pra ti, ok?
    gracias ;D
    já corrigi o poema lá

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Sonarento íncubo

    Entressonhar com ela é meu melhor sonho
    Penso vagamente ao luar
    tentando não me deixar
    levar pela efialta
    Meu altabaixo para cama
    quando quero dormir
    é meu meditar diário
    Sendo límpido meu onírico
    ignoto é teu pesadelo

    ResponderExcluir